Histórico

Na década de 40, Criciúma era dotada de vasta extensão territorial, baixa população e poucas opções de lazer.

Por esta falta de entretenimento, os fundadores do Clube vislumbraram a formação de um clube que reunisse os que praticavam a comum atividade de caçar e pescar.

Deveria ser um local, segundo a visão dos fundadores, onde pudessem conversar sobre cachorros, locais de boa caça, rios piscosos, além de contarem suas estórias, (típico de quem pratica esta atividade esportiva), e de aproveitarem os frutos de suas caçadas e pescarias.

Constituiu-se então uma associação, construíram uma modesta sede, localizada próximo ao trilho, e resolveram homenagear um grande caçador, leal, companheiro e instrutor de cinegética, denominando a agremiação de “Clube de Caça e Pesca Alberto Scheidt”.

O tempo foi passando, veio à proibição da caça em nosso estado e os interesses que uniam os associados foram definitivamente soterrados por esta lei.

A modesta sede, foi mantida por remanescentes dos fundadores até os anos 90,  e a partir desta data, surgiu a necessidade de traçar novos rumos.

O clube foi reativado e redirecionado nas mãos dos filhos, netos e parentes dos fundadores, voltando à ativa com suas ações voltadas a prática do  tiro esportivo.

Em 1994 foi constituída a equipe de tiro ao prato de Criciúma, e já neste primeiro ano, os resultados, tanto no campeonato catarinense quanto JASC foi extremamente satisfatórios (3 º colocado Camp. Catar e 2 º lugar JASC).

Os anos se passaram, e as conquistas apareciam naturalmente, pois afinal, tínhamos uma equipe de atiradores apaixonados pelo esporte.

Mas estava faltando algo!!!! Uma sede!!! Onde pudéssemos treinar, confraternizar,  realizar as competições oficiais… em fim , um local apropriado para a prática do tiro.

Tínhamos naquele instante, mais um desafio pela frente: convencer os sócios fundadores em  permutar o antigo terreno do clube, localizado em plena Avenida Centenário por este com área de 14 hectares. Mais um desafio vencido!!

Próximo passo: Construção da SEDE e Pedanas de Tiro, e foi com a participação efetiva da Prefeitura Municipal e dos sócios do clube, que em 2000 construímos o nosso clube.

Podemos afirmar que grande parte de nosso sonho estava realizado.

A equipe de Tiro continuava suas atividades, entrava ano e saia ano e as conquistas iam se multiplicando, e hoje, ao longo destes 19 anos de participação, temos a  satisfação de ter em nosso currículo a marca de 12 vezes campeões catarinenses, seguidos de 28 medalhas e 6 troféus nos Jogos Abertos de Santa Catarina (JASC), sendo hoje a modalidade que mais medalhas trouxe para nosso município desde a criação da Fundação Municipal de Esporte.

 

A FORMAÇÃO DA EQUIPE DE TIRO AO PRATO

 

Tudo começou em 1991, com um convite de amigos para visitar o clube de tiro em Nova Veneza. Reunia-mos todas as terças feiras para dar-mos alguns tiros. Em 1992 iniciamos a competir a nível estadual, alguns atletas por Tubarão, outros por Nova Veneza, com o objetivo de adquirir mais conhecimento e técnica. Ficamos praticamente dois anos atirando por estes municípios. Em 1994 resolvemos unir nossas forças, não apenas no esporte mas também na amizade e no companheirismo, e encaramos o nosso hobby com mais responsabilidade, afinal de contas, iniciávamos a nossa participação em competições oficiais, como os Jogos Abertos e os Campeonatos Estadual e Brasileiro, representando o nosso município e o nosso estado.

 

A PARTICIPAÇÃO DA EQUIPE NO CAMPEONATO CATARINENSE

1994

  1. Inicio da Equipe em competições estaduais
  2. Equipe é 3º colocado no Campeonato Catarinense

1995

  1. O atleta Valdir Abel torna-se Campeão Brasileiro
  2. Equipe é campeã dos JASC realizado em Rio do Sul
  3. Equipe Conquista o Campeonato Catarinense

1996

  1. A equipe torna-se Bi campeã dos JASC realizado em São Bento do Sul
  2. A equipe torna-se Bi campeã Catarinense

1997

  1. A equipe vence em Concórdia e torna-se Tri campeões dos JASC
  2. Medalha de Prata nos JASC individual c/ atleta Fernando Meller
  3. Medalha de Bronze nos JASC individual c/ atleta Valdir Abel
  4. A equipe conquista também, o Tri campeonato Catarinense

1998

  1. A equipe conquista o Tetra campeonato nos JASC em Joaçaba
  2. Conquista mais uma vez o Campeonato Catarinense, tornando-se Tetra campeões

1999

  1. Medalha de Bronze nos JASC em Chapecó
  2. Medalha de Bronze nos JASC individual com atleta Valdir Abel
  3. 2ª colocação  no Campeonato Catarinense

2000

  1. A equipe conquista novamente a medalha de Ouro nos JASC em Brusque
  2. 2ª colocação no Campeonato Catarinense.

 

A PARTICIPAÇÃO DA EQUIPE NOS JOGOS ABERTOS – JASC

 

EQUIPE
INDIVIDUAL
1994– Florianópolis
Canoinhas 750 patros Valdir Abel – Criciúma 194 pratos
Criciúma 748 pratos Charles Voigt – Canoinhas 192 pratos
São José 743 patros Erico Nunes – Tubarão 191 pratos
1995- Rio do Sul
Criciúma 777 pratos (*) Valdir Abel – Criciúma 198 pratos
Tubarão 777 pratos Antonio Parlato – Tubarão 197 pratos
São José 775 pratos Eduardo Bazzana – Rio do Sul 196 pratos
(*) No desempate, Criciúma acertou os 100 pratos, contra 97 de Tubarão.
1996- São Bento do Sul
Criciúma 778 pratos Antonio D. Neto – Caçador 199 pratos
São José 776 pratos Eduardo Bazzana – Rio do Sul 198 pratos
Caçador 773 pratos Robson Deschamps – Biguaçu 197 pratos
1997- Concórdia
Criciúma 785 pratos Aldo Varella – São José 199 pratos
Joinville 781 pratos Fernando Meller – Criciúma 199 pratos
São José 780 pratos Valdir Abel – Criciúma 197 pratos
1998- Joaçaba
Criciúma (*) 776 pratos Getúlio Schimtz – Chapecó 200 pratos
Chapecó 776 pratos João Marcondes – São José 198 pratos
São José 775 pratos Antonio Pallu – Chapecó 197 pratos
(*) No desempate Criciúma acertou 100 Pratos contra 96 de Chapecó.
1999- Chapecó
São José 782 pratos Eduardo Bazana – São José 196 pratos
Caçador 780 pratos Erico Fuzaro – Joinville 196 pratos
Criciúma 779 pratos Valdir Abel – Criciúma 195 pratos
2000- Brusque
Criciúma 781 pratos Alexandre Buzatto – Caçador 199 pratos
Caçador 779 pratos Marcelo Otoni – Biguaçu 199 pratos
São José 778 pratos Dilmar Fernandes – Tubarão 198 pratos
2001- Itajaí
Criciúma 781 pratos Alexandre Buzatto – Caçador 199 pratos
Caçador 779 pratos Marcelo Otoni – Biguaçu 199 pratos
São José 778 pratos Dilmar Fernandes – Tubarão 198 pratos
2002- Lages
Blumenau 782 pratos Carlos Costa – Blumenau 199 pratos
Florianópolis 778 pratos Paulo Soares – Blumenau 197 pratos
Chapecó 764 pratos Heuro Tortato – Caçador 196 pratos
2003- Blumenau ( atiramos por Tubarão)
Tubarão 772 pratos Valdir Abel – Tubarão
Blumenau 767 pratos Adoli Werlich – Florianópolis
São José 764 pratos Paulo Balena – Concórdia
2004- Indail/Pomerode/Timbó
Florianópolis 773 pratos
Concórdia 770 pratos Marcelo Otoni – Biguaçu 199 pratos
Criciúma 769 pratos Dilmar Fernandes- Tubarão 198 pratos
2005- Chapecó
Florianópolis 766 pratos Neimar Suzim – Concórdia 196 pratos
Concórdia 766 pratos Fernando Meller – Criciúma 195 pratos
Criciúma 762 pratos Gerson Schimtz- Chapecó 194 pratos
2006- Joaçaba ( 100 pratos)
Criciúma 383 pratos Suzim – Concórdia 100 pratos
Concórdia 375 pratos Fernando Meller – Criciúma 98 pratos
Joinville 371 pratos Valdir Abel – Criciúma 97 pratos
2007- Jaraguá do Sul
Criciúma 765 pratos Adoli Werlich – Florianópolis 194 pratos
Florianópolis 760 pratos Fernando Meller – Criciúma 194 pratos
Tubarão 760 pratos Valdir Abel – Criciúma 194 pratos
2008- Cancelado – chuvas Blumenau
2009- Chapecó
Criciúma 774 pratos Denilson Teixeira – Criciúma 197 pratos
Florianópolis 769 pratos Dilmar Fernandes – Tubarão 195 pratos
Tubarão 769 pratos Roberto Calegari- Florianópolis 195 pratos
2010 – Brusque
Criciúma (*) 771 pratos Lauro Reis – Pomerode 199 pratos
Tubarão 771 pratos Valdir Abel – Criciúma 198 pratos
Florianópolis 769 pratos Dilmar Fernandes – Tubarão 197 pratos
(*) No desempate Criciúma fez 197 e Tubarão fez 192.
2011 – Criciúma
Criciúma 779 pratos Denilson Teixeira – Criciúma 199 pratos
Joinville 777 pratos Giovani Suriz – São Ludgero 198 pratos
São Ludgero 776 pratos Valdir Abel – Criciúma 197 pratos